(texto de: János Schneller, curador)

Kristóf Szabó - Kristoflab (1988) A abordagem intermediária de Kristóf Szabó baseia-se fortemente no espaço expositivo e na obra nele criada pelo artista, em colaboração com os visitantes. Suas obras são inspiradas nos visuais das fotos digitais, e sua interpretação por meio da pintura, bem como na transposição dessas em instalações, vídeos e light art. A criação costuma ser uma forma de experimentação para ele, e ele gosta de misturar técnicas e combinar materiais de maneiras surpreendentes. Como uma metáfora visual da presença do homem na natureza - ou seja, o ambiente construído -, suas pinturas incluem as falhas que às vezes ocorrem em dados visuais digitalizados. A visão resultante é fragmentária, criando uma referência às descontinuidades da memória pessoal, à perda incessante de dados na memória cultural e visual e às tentativas de recuperação de dados. Ao admitir inspiração na música e na arte do movimento, Szabó intensifica a dinâmica das suas obras, aludindo à mudança contínua que torna a repetição impossível.


(text by: János Schneller, curator)

Kristóf Szabó – Kristoflab (1988) Kristóf Szabó’s intermedial approach heavily relies on the exhibition space and the work created in it by the artist, in collaboration with the visitors. His works are inspired by the visuals of digital photos, and their interpretation by means of painting, as well as the transposal of these into installations, videos and light art. Creation is often a form of experimentation for him, and he likes to mix techniques and combine materials in surprising ways. As a visual metaphor of man’s presence in nature – i.e. the built environment –, his paintings include the glitches that sometimes occur in digitized visual data. The resulting view is fragmentary, creating a reference to the discontinuities of personal memory, the ceaseless loss of data in cultural, visual memory, and attempts at recovering data. By admitting inspiration from music and movement art, Szabó intensifies the dynamic of his works, alluding to continuous change that makes repetition impossible.